quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

Cruzada em favor do Ensino Doméstico no Brasil


Pelo que estamos constatando, chegou o momento de lutar pelo direito de educar os filhos em casa, não porque alguns querem imitar os americanos, onde a prática virou lei e está dando certo e surpreendendo os reitores de Universidades, alunos que estudaram em casa tem tido boas notas ao entrar nas universidades. O "ativismo Gay" está ensinando "Homoafetividade" a crianças de 7 e 8 anos, como um incentivo ao homossexualismo e a Nova Era já realiza pequenos feitiços ensinados a crianças pequenas que poderão invocar demônios. Faça "abaixo assinado" e entre em contato com deputados federais e senadores cristãos (católicos e protestantes) e a defensores da família. Separei um artigo postado no site da "TV Wesleyana" e uma pesquisa do  NCES de 2003. Nos EUA já é uma doce realidade, eles venceram o Estado nessa questão e o Estado acabou economizando mais na educação.

(1)
Lutando pelo Direito à Educação no Lar
Publicação:  TV Wesleyana

Lutando pelo Direito à Educação no Lar

Algumas famílias cristãs, estão retirando seus filhos da escola – para aderirem ao método de ensino em casa e estão sendo condenados pela justiça brasileira e podem perder a guardar dos sues filhos, se não os matricularem, imediatamente no ensino tradicional. 

Mesmo diante de tal sentença, a decisão do casal permanece.Você sabe o que Leonardo da Vinci, Albert Einsten, George Washington, C. S. Lewis, Graham Bell, Jonathan Edwards, Thomas Edson - entre outros - tinham em comum? Nenhum deles freqüentou a escola tradicional. Todos foram educados em casa. Todos se tornaram grandes expoentes na sociedade.

Os tempos mudaram, é verdade. O ensino sofreu atualizações. Mas, será que o movimento de educação no lar ou homeschooling como é conhecido nos países de língua inglesa é coisa do passado? Pesquisas mostram que em países de primeiro mundo como Canadá, Austrália, Nova Zelândia, Reino Unido etc, o número de crianças ‘educadas em casa’ só tende a crescer.

Nos Estados Unidos, por exemplo, em 1999 havia uma população de aproximadamente 850 mil crianças estudando neste sistema. Menos de 10 depois, em 2007, este número duplicou. Hoje, estima-se que haja cerca de 2 milhões de crianças e adolescentes sendo educados em casa na América. Uma população composta na sua maioria, isto é 75%, por famílias cristãs.

Mas, qual a razão que leva este método a ganhar cada vez mais popularidade entre as famílias americanas? Segundo o NHES - um Programa Nacional de Pesquisa sobre Educação realizado nos Estados Unidos – 31% dos pais responderam que estavam descontentes com o ambiente que a escola propiciava a seus filhos; 30% disseram que gostariam de dar uma educação moral e religiosa mais efetiva a eles, e 16% que o ensino escolar não se enquadrava em seus princípios.

No Brasil, um casal de membros da Igreja Assembléia dos Santos, da pacata Timóteo, interior de Minas Gerais, decepcionados com a educação escolar que seus filhos Davi e Jônatas– 13 e 14 anos, na 5° e 6° série, respectivamente – estava expostos a cerca de 6 anos numa escola pública, decidiram renunciar à grande parte das atividades profissionais as quais exerciam e passaram a se dedicar integralmente a função de educadores no lar. Retiraram os filhos da escola e passaram a ensiná-los, humanas, exatas, informática, inglês e até hebraico, diariamente.
      
Porém, como no Brasil a educação em casa não é legalizada e o abandono escolar configura crime para os responsáveis legais, em pouco tempo o conselho tutelar notificou o Ministério Público da situação. Cleber Nunes, 44 anos, designer, autoditada e Bernadeth Nunes, 40 anos, do lar – pais dos meninos - foram duas vezes processados, cível e criminalmente por abandono intelectual. Condenados pela Justiça Brasileira, foram sentenciados ao pagamento de 12 salários mínimos e a matricular Davi e Jônatas, imediatamente nas séries que cursavam - 5ª e 6ª - sob pena de perda da guarda e até a prisão. 

O casal recorreu. Para provar que não houve abandono intelectual, matricularam os dois filhos no vestibular da Fadipa (Faculdade de direito de Ipatinga-MG) e ambos foram aprovados com excelente colocação. Davi passou em 7° lugar, Jônatas em 13°. Apesar dos resultados, o juiz de Direito da Comarca de Timóteo-MG, Dr. Ronaldo Batista de Almeida, não considerou o argumento. Cleber e Bernadeth – que também são pais de Ana de apenas 11 meses - aguardam a próxima audiência que deve acontecer no mês de julho, próximo. São enfáticos, “custe o que custar, manteremos o nosso posicionamento”. Uma luta em causa própria, que abre espaço para uma discussão sobre a legalização do Ensino no lar. Nesta entrevista, exclusiva à Enfoque, toda a família, exceto a pequena Ana, dá voz a suas reflexões sobre sistema tradicional de ensino, no Brasil e os privilégios da educação no lar.

Fonte: (O verbo e Oziel Alves)

(2) 
Veja uma pesquisa realizada em 2003 nos EUA.
Mas, por que o aprendizado escolar domiciliar está ganhando popularidade? 
Por que os pais preferem que seus filhos tenham o aprendizado escolar domiciliar?
Na Pesquisa Nacional sobre Educação Familiar (NHES) de 2003, realizada pela NCES, os pais foram questionados sobre os motivos particulares para a sua decisão de adotar o aprendizado escolar domiciliar. Sobre os prováveis motivos, foi solicitado aos pais que indicassem qual seria o mais importante:
·         31%  praticam o aprendizado escolar domiciliar porque se preocupam com o ambiente de outras escolas.

·         30%  o fazem para fornecer instruções religiosas ou morais.


·         16%  escolhem o aprendizado escolar domiciliar devido à insatisfação com a instrução acadêmica disponível em outras escolas.




Como funciona o homeschooling

Blogs:
Aprender Sem Escola

Rede de Ensino Doméstico

Nenhum comentário:

Postar um comentário